segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Ensaio: "A casa que via muito além da estrada", de Maria Bevenuta Sales de Andrade


De acordo com Marisa Martins Gama-Khalil (2009, p. 64), para a literatura fantástica, “o espaço desempenha uma função fundamental: a de ser o elemento instigador da ambientação fantástica”, de modo que as espacialidades passam a figurar, dentro do fazer artístico, como gatilho desencadeador dos efeitos fantásticos. Por essa diretriz, encontramos uma confluência entre essa assertiva e a colocação de Claudia Barbieri (2009, p. 105, grifo nosso), de que: “A construção espacial da narrativa deixa de ser passiva [...] e passa a ser um agente ativo: o espaço, o lugar como um articulador da história”. Assim, fundamentado por esses pressupostos, nosso trabalho tem por objetivo discutir o protagonismo espacial no conto “A casa vista da estrada”, do autor cearense Luís Marcos da Silva (2011).
O enredo é construído a partir da relação de um homem e uma casa que, possivelmente, fora recebida de herança de seus avós; é interessante pontuar o fato de a personagem ter duas formas de interação com a casa, sendo uma pelo expediente da vigília, quando apenas observa a distância: “Observou a casa lá do alto, soberba, e pensou que ela devia ter sido ainda mais no tempo dos seus avós” (SILVA, 2011, p. 419); e a outra no modo onírico, quando alcança os espaços internos do imóvel: “A sala era ampla e ele estava posicionado no centro da mesma. [...] Seu sono é interrompido abruptamente [...]” (SILVA, 2011, p. 419). Embora por duas perspectivas distintas, a impressão que a personagem tem da casa parece convergir para uma única leitura, a de que essa não é uma habitação comum. Tal discrepância com a normatividade pode ser aferida pela adjetivação empregada, pois, tratando-se de uma casa soberba, essa característica a coloca em plano superior, há uma elevação não explicada. Ademais, há ainda a suposição de ela ter sido mais altiva no passado, sem que seja revelada a motivação para essa hipótese, se por sua localização, sua dimensão ou uma causa secreta.
Quanto ao segundo tipo de interação, é digno de atenção o fato de a personagem estar no centro de uma sala ampla. Tal posicionamento sugere que o domínio, tanto do espaço quanto do sujeito, pertence a casa, ela é, proporcionalmente, superior e envolve a personagem, impõe limites, ou seja, a espacialidade é dominada pela casa, o homem está e é em função dela. Desse modo, o espaço torna-se um articulador de posicionamentos e age nas instâncias do ser e do estar, determinando comportamento e entendimento. A espacialidade é, portanto, um “conjunto de indicações – concretas ou abstratas – que constitui um sistema variável de relações” (SANTOS; OLIVEIRA, 2001, p. 67). Sendo assim, compreendido enquanto sistema relacional, o espaço funciona para o fantástico como contraponto no estabelecimento da ruptura com o cotidiano. É pelas espacialidades ocupadas e suas indicações que determinado fenômeno ganha a dimensão da incompatibilidade, da inadequação com o cotidiano reconhecido. De tal maneira, o domínio exercido pela casa é a condição para a existência do fantástico no conto, isto é, o tratamento dispensado ao espaço torna-se fundamental para que a incompatibilidade com o naturalmente possível se estabeleça.  
Vale ressaltar que nesses dois níveis de contato percebe-se um misto de fascínio e resistência em relação à propriedade. No campo da observação fica claro que o homem, embora tendo se recusado a visitar a casa, pois “Havia sempre algo que o sobressaltava” (SILVA, 2011, p. 419), não consegue ignorar sua existência e segue fazendo incursões aos arredores para, de alguma forma, estabelecer contato com a edificação. Essa aproximação acontece em um movimento crescente e a cada nova inspeção ele se depara com uma versão alterada dessa construção indecifrável. Assim, no primeiro contato ele apenas dá “voltas pelas cercanias”, depois “por outro ângulo, fica observando a casa” (SILVA, 2011, p. 419). Na sequência, “um pouco mais de perto ele observa a casa mais uma vez” e, por último, “de ângulo mais alto fitava a casa” (SILVA, 2011, p. 420).
A casa vai atraindo o seu observador e esse enleio se intensifica a cada passo dado em sua direção. Tal ênfase fica evidente tanto pelo advérbio de intensidade quanto pelos indicativos de acercamento contidos nas posições adotadas em relação a casa: mais perto e mais alto. Existe, portanto, uma força dominante que alicia o homem, poderes que se agigantam contra sua vontade, conduzindo-o para o lugar do desejo e, ambiguamente, de sua negação. De acordo com Filipe Furtado (1980), a manifestação fantástica será sempre superior à personagem que, por sua vez, adotará uma postura subalterna diante do fenômeno, ou seja, no modo fantástico o acontecimento é privilegiado em detrimento da ação da personagem.
No campo onírico é acrescido a esse duo, desejo/resistência, um novo sentimento que vai avultando em tamanho e efeito. Em termos de episódio, a personagem, que passa a transitar pelo interior da casa, se vê diante de um negro que traz um baú cheio de vermes e ouro, no segundo sonho o mesmo negro reaparece, agora trazendo “um pombo branco ensanguentado entre os dentes” (SILVA, 2011, p. 420) e, na última narrativa, é surpreendido com “uma cabeça humana decepada” (SILVA, 2011, p. 420) que cai sobre ele. Experienciar esses fatos causa uma visível perturbação e esta se traduz pela condição em que o homem desperta, sempre molhado de suor, indicando o desconforto provocado pelo sonho: “Novamente ele acorda atordoado” (SILVA, 2011, p. 420). Sendo assim, proporcionalmente à bizarrice da cena cresce a aflição do testemunho e diminui a distância entre ele e a memória do espaço; há, pelo alarme, uma espécie de familiarização, uma integração do homem em relação a casa. É importante sublinhar que tanto o movimento de retorno, ação predominante no expediente de vigília, quanto à presença no interior da casa, uma constante no nível onírico, são realizações determinadas pelo espaço. É a casa quem delibera sobre as ações, as reações e os sentimentos presentes na narrativa, de modo a tornar-se protagonista da história. São, pois, as impressões causadas por esse espaço o motivo norteador de todos os episódios, sejam eles acontecidos dentro ou fora das suas delimitações.
Aqui fica evidenciada a existência de duas dimensões, bem como o seu ponto de encontro. Sobre essa condição fronteiriça, Remo Ceserani (2006, p. 73) diz que a “passagem de limite, por exemplo, da dimensão da realidade para a do sonho, do pesadelo [...]” é uma opção estética frequente nas narrativas fantásticas. Ainda segundo o autor, dentro desses dois espaços a personagem se depara com códigos distintos para se orientar e tentar compreender os acontecimentos que o envolvem. No caso do conto em análise, há uma dupla ruptura de fronteiras feita em pares opositores: desperto/adormecido e ignorância/conhecimento. Em cada um desses estados são apresentadas pistas ao homem que o vão direcionando para mais perto das possíveis verdades da casa e é assim que, enquanto acordado, ele mantém contato com pessoas que parecem saber sobre a edificação, mas essas informações são fragmentadas, desconexas e incapazes de formar um desenho elucidativo do imóvel e sua história. Na verdade, a regularidade dessa mensagem acontece, embora ainda envolta em certo grau de opacidade, no viés onírico da narrativa e é, justamente, depois do último sonho que se formaliza uma contação obedecendo uma linha de causalidade e coerência. Dessa maneira, surge um emparelhamento improvável, pois estar acordado mantém sua ignorância ao passo que adormecido os fatos fazem mais sentido, já que há uma espécie de continuidade narrativa a partir da retomada de elementos. Os fatos são apresentados no sonho; ademais, é por esse meandro inusitado que o homem entra na edificação e pode integrar o seu cenário, presenciando aquilo que compõe a essência da casa.
É válido pontuar que é a casa quem domina os espaços de tensão do texto, esteja a personagem no campo da vigília ou no estado onírico, toda a movimentação é determinada pela existência dessa construção. Ela se mantém imperiosa e ao homem resta seguir, qual marionete, os chamados dessa espacialidade antropomorfizada que impera nos dois domínios. Por essa constituição incomum, a casa pode ser vista como a representação de um espaço descontínuo, aquele que rompe com o reconhecível pela razão, uma irrupção do desconhecido no meio do mundo cotidiano (VAX, 1960). Além disso, merece atenção a organização estética do texto, a opção por intercalar os níveis sugere o passar do tempo e assim, interpolando dia e noite, reitera a ideia de que a casa é uma constante na vida do homem, ela domina seus pensamentos e sonhos. Há, portanto, uma espécie de retorno temporal pelo sonho, de modo que a personagem consegue resgatar os acontecimentos e rompe com a causalidade racional. Essa ruptura promove um tipo de reversibilidade que impõe o estranhamento para a ordem das coisas. Dessa maneira, a casa exerce ascendência também sobre o tempo que, embora siga uma linha crescente, é para o todo da narrativa uma categoria reversível, condição utilizada pelo modo fantástico para ampliar a contradição das certezas pretendidas (VAX, 1960).  
Há, ainda, que se ressaltar as participações dos interlocutores existentes no texto: o negro, o menino com o bode, a velha senhora com o cachorro e uma jovem mulher; todos eles, de alguma maneira, estão interessados ou têm conhecimento sobre a propriedade. O negro, que só aparece no sonho, traz sempre uma mensagem cifrada e, em termos gerais, dialética pelos elementos conflitantes apresentados. No primeiro sonho ele mostra um baú cheio de ouro e vermes; segundo Jean Chevaliere e Alain Gheerbrant (2007), enquanto o ouro é visto como símbolo de perfeição, iluminação e conhecimento, os vermes são, quando encontrados em sonho, interpretados como intrusos indesejáveis. Há, assim, um tipo de negação imbrincada na invalidação de sentidos: ao homem são, simultaneamente, oferecidas e negadas informações sobre a casa, essa que se estabelece como mistério. Para Filipe Furtado (1980) o espaço casa tem aparecido como uma das escolhas mais frequentes para a fenomenologia do fantástico e, nesse caso específico, ela passa a ser o próprio fenômeno de ruptura dentro da legalidade cotidiana. Quanto ao segundo contato com o negro, neste ele traz um pombo branco ensanguentado. Aqui, o que seria a alegoria da pureza e da simplicidade surge maculada e a nulidade de sua significação se concretiza pelo adjetivo ensanguentado. É uma morte figurada das expectativas, pois todas as promessas de acesso vão sendo suspensas ao passo que se apresentam. Esses dois encontros acontecem, conforme já mencionado, nos domínios do onírico e, por conseguinte, em uma ambientação noturna, o que indica a predominância de uma linguagem específica do inconsciente, em contrapartida aos demais diálogos da narrativa, onde prevalece a linguagem do dia, ou seja, a linguagem da racionalidade. Essa oposição entre claro e escuro, dia e noite é muito recorrente no modo fantástico, bem como o duelo entre realidade e abstração (CESERANI, 2006).
Desperto, o homem encontra primeiro com um garoto que “tange um bode grande com uma enorme cabeça preta e uma mancha branca em todo o dorso” (SILVA, 2011, p. 419). Esse menino pergunta sobre uma possível transação de venda da propriedade e o homem diz ainda não haver pensado nisso. Novamente uma colocação inusual vem alargar o mistério que envolve a casa; essa indagação pode ser interpretada por dois vieses, um o de que há alguém tentando alertar o homem sobre possíveis problemas advindos da posse da casa ou, seguindo outra vertente, um artifício para afastá-lo do lugar e garantir a intocabilidade do espaço. Pois bem, a pergunta do garoto tanto pode ser um esforço para proteger o homem da casa quanto o contrário, proteger a casa do homem. Somado a essa dualidade vem o desaparecimento repentino da criança: “De repente uma lufada de vento levanta uma imensa nuvem de poeira, e, quando ele se recupera do susto, o garoto e o animal já têm desaparecido” (SILVA, 2011, p. 419). Aqui tem início um jogo de aparições e desaparecimentos repentinos que terá continuidade com a figura de uma “velha senhora trazendo consigo um cachorro de raça indefinida” (SILVA, 2011, p. 420). Usando extremos da vida, um garoto e uma velha, o narrador estabelece a ideia de circularidade, isto é, a obsessão e o domínio da casa não terão fim. De acordo com Louis Vax (1960), “o fantástico se nutre do escândalo da razão”[1] e é justamente esse inesperado que suscita a descontinuidade da ordem, é o surgimento e sumiço desses interlocutores a ferramenta que desencadeia a inquietude por levantar suspeita sobre a procedência dessas personagens. A esse respeito David Roas (2014, p. 59) diz que a transgressão provocada pelo modo fantástico gera inquietude diante da possibilidade “de que o irreal pode irromper no real”. Sendo assim, são os movimentos do garoto e da velha senhora que promovem o estranhamento, pois, além disso, não há nada de sobrenatural no garoto nem na anciã.
Para o último encontro foi reservada a participação de uma jovem que, metaforicamente, poderia ser entendida como uma alusão ao tempo presente. Tal referência encontra respaldo na comparação com os dois outros interlocutores: o garoto e a velha senhora. Ademais, é com a participação dessa figura que o narrador localiza o tempo dos acontecimentos em um passado indeterminado e o tempo da narrativa no momento em que escreve os fatos: “Ele sorriu, ela apenas arqueou as sobrancelhas e, sem demora, relatou o que escrevo-lhes agora” (SILVA, 2011, p. 420). Vale destacar o embaralhamento temporal predominante no conto, condição que dilata a opacidade e, por conseguinte, dificulta a identificação tanto do tempo da narração quanto da narrativa, isto é, o tempo em que se situa o narrador da história e o tempo da história. Parece haver uma construção temporal em encaixes, reforçando a ideia de rompimento de fronteiras já mencionada anteriormente. Assim, o quesito temporalidade é, mais uma vez, usado em favor do rompimento com a norma, é esse esfacelamento da periodicidade, elemento tão caro ao cotidiano, uma das escolhas estéticas afiançadoras do fenômeno fantástico verificado no texto em análise.
Cada um desses encontros acontece em um ângulo de visão diferente da casa, indicando o fracionamento da focalização, ou ainda, a impossibilidade de erigir uma totalidade espacial, dificultando, assim, uma explicação que responda à normalidade estabelecida e reconhecida pelo cotidiano. Além disso, essas reuniões são sempre um movimento de negação que se estabelece na oposição formada entre as marcas caracterizadoras dos seus participantes ou do espaço-temporal em que esses contatos acontecem. Essas assimetrias são mais um aspecto demarcador para o afastamento imposto pela casa, conforme se observa nos blocos do preto e branco do cachorro, nas marcas temporais dia e noite, nos espaços de atuação que se apresentam em duas dimensões: a primeira assinalada pelos cenários internos e externos da casa e pelas instâncias sonho e realidade. Em todos esses duos é possível verificarmos traços de desarmonia e, por consequência, incompletude assegurando a ambivalência do texto que, esteticamente, se estrutura de forma dialética.  
Outro aspecto relevante envolvendo esses interlocutores é a inserção de informações sobre o espaço e seu suposto passado. Como exemplo destacamos o relato transcrito pelo narrador, onde uma jovem reconta uma cena já referida por outra personagem, relacionada a uma tentativa de compra dessa propriedade por um homem misterioso, porém com detalhes diversos. Há, portanto, uma espécie de legendário em torno da existência dessa casa, a formação de um passado que funciona como “[...] memórias de pedra, depositárias de segredos sombrios que fazem nascer uma concepção antropomorfa do local [...]” (CAMARANI, 2014, p. 127). É esse espaço personificado que atua como agente da ação dentro do conto; é, pois, na ruptura com a passividade do tradicional – contextualização e cenário –, que surge o protagonismo da casa vista da estrada.  

Maria Bevenuta Sales de Andrade
Universidade Estadual do Rio Grande do Norte/
Fundação de Apoio à Pesquisa do Rio Grande do Norte


REFERÊNCIAS

BARBIERE, Cláudia. Arquitetura literária: sobre a composição do espaço narrativo. In: FILHO, O. B. BARBOSA, S. (orgs.). Poéticas do espaço literário. São Carlos-SP: Editora Claraluz, 2009.
CAMARANI, Ana Luiza Silva.  A literatura fantástica: caminhos teóricos. São Paulo: Cultura acadêmica, 2014.
CESERANI, Remo. O fantástico. Tradução de Nilton Cezar Tridapalli. Curitiba: Ed. UFPR, 2006.
CHEVALIER, J. GHEERBRANT, A. [et al]. Tradução de Vera da Costa e Silva [et al]. Dicionário de símbolos: mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números. Rio de Janeiro: José Olympio, 2007.
FURTADO, Filipe. A construção do fantástico na narrativa. Lisboa: Livros Horizonte, 1980.
Gama-Khalil, Maria Martins. Espacialidades geradoras da ambientação fantástica em A invenção do Morel. In: FILHO, Ozíris Borges; BARBOSA, Sidney (Orgs.) Poéticas do espaço literário. São Carlos, SP: Editora Claraluz, 2009.
SILVA, Luis Marcos da. A casa vista da estrada In: SALGUEIRO, Pedro (org) O cravo roxo do diabo: o conto fantástico do Ceará. Fortaleza: Expressão Gráfica Editora, 2011.
SANTOS, Luis Alberto Brandão; OLIVEIRA, Silvana Pessoa de. Sujeito, tempo e espaços ficcionais: introdução à teoria da literatura. São Paulo: Martins Fontes, 2001.
VAX, Louis. Arte y literatura fantásticas. Traducción de Juan Merino.  Argentina: EUDEBA, 1965.




[1] No original: “el fantástico se nutre del escándalo de la razón” (VAX, 1960, p. 29). 

quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

"Natal bem Simples", de Ana Miranda


Guardo lindas lembranças dos natais de minha infância, em Fortaleza. Nossa árvore era um pinheiro natural, alta, ainda mais aos olhos de uma menininha. Tenho até hoje uma lata com adornos dos natais de minha infância, delicadas peças embrulhadas em papel de seda.
Talvez eu as tenha guardado por sua extrema fragilidade, são quase películas de vidro em forma de alaúde, sino, rosa, estrela... O mais surpreendente e belo da árvore eram uns apliques de metal presos nas pontas dos galhos, como pequenos candelabros com uma base de flor que suportava velinhas brancas acesas, todas elas, antes da ceia, de uma em uma.
Era preciso apagar as luzes da sala para vermos a árvore com sua luz tremulante, mais poética do que as mimosas lampadinhas de hoje. Lembro de alguns presentes, claro, porém ainda mais do momento em que o embrulho ia sendo aberto e o brinquedo revelado!
O Natal cristão é medieval, foi o ato de um papa que desejava cristianizar, em vez de oprimir os ritos dos pagãos, ou os cultos solares comemorados pelos romanos, pelos celtas, pelos germânicos, em que se ofereciam sacrifícios propiciatórios e se suplicava pelo retorno da luz.
Os nossos símbolos natalinos são ecléticos: a árvore, dizem ser luterana, mas também egípcia, e ainda, romana, quando se dependuravam máscaras de Baco em pinheiros nas festas a Saturno. Papai Noel é um desenho de cartunista americano, mas a partir da tradição de um arcebispo na Turquia, são Nicolau, que jogava um saco com moedas de ouro pela chaminé de quem estivesse em dificuldades financeiras, em particular três órfãs de um homem pobre.
Os cartões com mensagens de paz e felicidades são invenção de ingleses do século 19. A data vem de quando povos antigos comemoravam o solstício do inverno e o nascimento do deus Mitra, em 25 de dezembro. O Menino Jesus não nasceu nessa data, que foi preferida num processo de sincretismo.
As clássicas imagens de Madonas com filho já existiam antes do nascimento de Jesus. As velas são de origem pagã. As guirlandas à porta adornavam lugares de adoração pré-cristã. As comidas, das mais variadas origens.
As leituras folclóricas, como as nossas pastorinhas, são imaginativas. Mesmo o presépio, criado por são Francisco de Assis, único símbolo verdadeiramente inspirado nos Evangelhos, tem alguma ambiguidade, pois a presença do boi e dos carneiros é registro de evangelhos apócrifos. A natureza real da estrela de Belém continua motivo de debates entre biblistas.
E os magos não eram reis, mas sacerdotes astrólogos zoroastristas, conselheiros de reis, vindos da Babilônia, Pérsia e Arábia, e os nomes, Gaspar, Melchior e Baltazar, constam apenas em evangelhos apócrifos. Talvez essa amplidão de significados seja a grande força do Natal, hoje comemorado não apenas por cristãos, mas por pessoas de outras crenças, ou descrenças. O Natal deixou de ser um ritual religioso para se tornar uma festa da família, de aproximação familiar.
Os natais mais bonitos de minha vida adulta foram os de frei Betto. Durante anos, comemoramos juntos essa festa, que ele tratou de espiritualizar. Mandava com antecedência as receitas, as instruções, os textos, as músicas. Chegava cedo, ele mesmo cozinhava, nós em volta ajudando a descascar batatas, lavar alfaces ou cortar cebolas.
Minha irmã, cantora, ensaiava músicas com as crianças, vozes de comover qualquer coração de pedra. Na sala arranjávamos uma mesa com toalha branca, um pão e um cálice com vinho, apenas. As crianças cantavam com suas vozes puras e irradiadas. O texto escolhido por frei Betto era lido, frase por frase, pelas pessoas em torno da mesa.
Depois cada uma dizia uma palavrinha, se quisesse. E cada uma comia do pão e tomava do vinho. Ao final, era posta uma mesa com alguns pratos, sem excessos. Presentes, somente para as crianças. A simplicidade era o nosso luxo.
Íamos em seguida levar presentes e alimentos para o porteiro, para as pessoas que estavam trabalhando naquela noite de festa, distantes de sua família.
Feliz Natal para todos!


sábado, 30 de dezembro de 2017

"2018: 130 anos de Demócrito Rocha", de Raymundo Netto para O POVO


“(...) É no jornal que o povo encontra o seu pão espiritual de cada dia. O jornal descortina-lhe o mundo, vencendo distâncias. [...] Quando o povo geme escravo, entorpecido pelas algemas do cativeiro, indiferente à violência paralisante do grilhão, o jornal é o sangue novo, forte e generoso a nutrir-lhe as células dormentes, a despertar-lhe os neurônios amortecidos, a ondear-lhe, nas veias, a torrente vigorosa e enérgica da revolta. O povo precisa de mais gritos que o estimulem, de mais vozes que lhe falem ao sentimento. Eis porque surgimos...”
Esse é um fragmento do primeiro editorial d’ O POVO, o jornal mais antigo e o único diário em exercício no Ceará, publicado em 7 de janeiro de 1928, ou seja, há 90 anos. Foi escrito pelo seu criador, o jornalista, telegrafista, odontólogo e poeta baiano Demócrito Rocha (1888-1943), que, em 2018, se vivo fosse, celebraria 130 anos.
Quem conhece um pouco da história do Ceará sabe que é impossível se passar pelas décadas de 10 a 40 do século XX sem tocar em seu nome. Na década de 20, em especial, por meio de suas “Notas”, era, em um tempo sem rádio, TV ou internet, a legítima voz do povo que acolhera em seu coração, razão pela qual teria sido, na época, covardemente surrado e humilhado em praça pública por 12 policiais armados a mando do governador.
Daí, fundaria o periódico na marra, por atrevimento, com pouquíssimos recursos e quase nenhuma condição, movido pelo sonho de edificar o jornal que ele queria, mais justo, livre e independente, inovando o fazer da imprensa desde então.
Com início num sobradinho da praça dos Leões, um gregário Demócrito criava campanhas, concursos, promoções, poemas, lia caligrafias, atraía intelectuais e escritores, idealizava projetos musicais na recente rádio PRE-9, elaborava estratégias comerciais, participava de reuniões artísticas, políticas e sociais de toda natureza. Durante algum tempo, exerceu concomitantemente as carreiras de dentista e de professor da Faculdade de Odontologia – do qual também foi defensor – para ajudar a pagar a folha do jornal e manter a sua família: a esposa Creuza e as filhas Albanisa e Lúcia.
Assim, com muita resiliência – e forte dose de teimosia e idealismo – conseguiu sobreviver à quebra da bolsa de Nova York, logo no ano seguinte, além de duas grandes guerras mundiais, às censuras e golpes de estado e a todas as crises nacionais e internacionais que elevavam os preços dos insumos e equipamentos, entre os quais, o imprescindível papel.
O POVO, ele sabia, seria amado e odiado, aclamado e perseguido, de modo que habilmente pressentia quando reagir e/ou quando recuar, tudo ao seu tempo, e nada mais natural para uma folha que trazia entre seus princípios a democracia. Princípio esse que Demócrito levou às tribunas quando deputado federal, até ser deposto durante a ditadura Vargas. Idealista, Demócrito não visava ao poder, morrendo sem nunca ter tido uma casa própria ou publicado um único livro seu, ao tempo que publicava e promovia os de outros talentos locais.
Entendo que o jornal O POVO, aos 90 anos, não é a sua diretoria, assim como também não é apenas o seu corpo funcional, menos ainda o edifício que o acolhe. Corre nele a seiva de Demócrito Rocha e de todos os seus sucessores: Creuza do Carmo Rocha, Paulo Sarasate, Albanisa Sarasate, Demócrito Rocha Dummar e, hoje, Luciana Dummar. Vai mais além, trazendo nessa artéria aberta o espírito de todos aqueles que por essa escola passaram um dia. De personalidades reconhecidas a pessoas comuns que encontramos nas ruas, nos bares, nas igrejas, nas praças e que, ao saberem que fazemos parte do O POVO, nos relatam histórias suas ou de parentes e amigos que ali escreveram ou trabalharam, ou mesmo as de assinantes históricos e de matérias que os impactaram. Já conheci jornalistas, editores, gráficos e até ex-gazeteiros que se recordam do som das pesadas máquinas ou das campainhas que indicavam a hora de distribuir o vespertino.
O jornal de Demócrito, acessível em grande audiência pelos impressos, celulares, tablets, computadores, rádio e TV, é presente em 90 anos de história de todos os dias e em todos os segmentos, fazendo as contas para além do calendário, significando e revelando muito mais do que podemos ver, ler, ouvir ou tocar. E, tudo isso, acredite, a partir de um sonho.


sábado, 9 de dezembro de 2017

"Sonho que não se Sonha Só"*, de Raymundo Netto para O POVO


Ela passa ao lado de um botequim de mercado, um daqueles cheirando à gordura, a caldo de cana e a suor farto de carregadores, agricultores, caminhoneiros. Vinha com sede, muita sede. Cria coragem, entra e pede um copo de água.
Diante de olhares lascivos ao seu colo branco de estudante, toma à mão o copo americano, limpa o bordo com a ponta dos dedos compridos e o leva à boca vermelha. Enquanto bebe, vê a imagem dele no fundo do copo. A imagem também a reconhece e a abraça com saudade plena. Juntos, de mãos dadas, saem do botequim, sem se importar com o mundo ao redor, mesmo se havia mundo, e caminham se expressando apenas por sentimentos.
Assim, atravessam a cidade. As casas e edifícios se curvam ao seu rastro, deitando telhas e segredos nas ruas e por cima de seus moradores de calçada. No meio do caminho, um portal os devora. Lá dentro, descobrem o teto marchetado em cristais coloridos e espelhados. Olhando para cima, eles se veem, se encontram e se encantam de novo. Ele, subitamente, sente sua mão reclamar uma dor. Ela se preocupa. Toma a mão dele e a coloca entre as suas, quentes e febris: “Vou tirar essa dor de você... para sempre.” Então, como se o mundo fosse de vidro e o tempo coubesse num único ponteiro, eles trocam olhares, se emprestam e se amam.
Depois, ela diz ter que ir embora, não lembra o porquê, mas se fazia hora: “Eu vou esquecer você.” Pede um táxi, que logo chega, todo envolto em néon. Ela acena um beijo para o amante. É quando percebe o rosto embaçado, como uma digital. Entra e senta na poltrona de trás, pois aquela ao lado do motorista está ocupada por uma pessoa morta, coberta por um lençol, com quem o motorista conversa.
No meio do caminho, sem lhe perguntar, o táxi toma outro destino. Ela chama pelo motorista, mas ele só tem ouvidos para o morto. Param em uma travessa e o taxista começa a gritar com ela: “Saia do meu carro! Saia, vamos, e não me procure mais!”
Apavorada, desce e escorre pela primeira porta. Ali, encontra quatro mulheres negras e mudas, cobertas de sal, expostas em uma vitrine escura. Por detrás dela, surge um homem, arranca a sua roupa, cobre de sal o seu corpo e a coloca na vitrine junto com as outras. 
Dias-há, o silêncio e o incômodo de uma luz intensa e amarela sobre elas. Então, não se lembra como nem quando, quebram o vidro e todas saem correndo confusas e peladas pelas ruas desertas.
Ela chega a um hotel, sendo recebida pela gerente a falar por um idioma estranho – que mais parecia desenho – a recender no ar. A anfitriã pega-lhe pela mão, a deita em uma banheira de louça transbordando lágrimas, esponja seu corpo demoradamente, penteia as ondas de seus cabelos e a veste um robe de celofane revestido de estrelas. Ela, quase adormecida, fita e pergunta ao espelho: “E ele?” – “Ainda está aqui, em seu quarto.” – Seu coração distraído exulta: “Preciso vê-lo agora!”
Sem sentir o chão em que pisa, acompanha a gerente por desvãos escuros, úmidos e cheio de escadas. Nas paredes, o papel ressoa o som de asas coloridas por borboletas. Entretanto, à porta do aposento, enquanto a mulher bate, ela prevê: “Não é ele quem está por trás dessa porta, mas a esposa dele. É ela!” Começa a chorar... e a rir... a puxar os cabelos por trás do pescoço comprido. Sente uma intensa dor nos olhos e esfrega-os. Eles descem pelo dorso de suas mãos e ela se vê completamente cega.
Tem sede, pede um copo de água. Olha para o fundo e não vê mais nada: “Ela o esqueceu? Mas se o esqueceu, por que ainda de tanta sede?”
Sai do botequim e traz a imagem do morto envolto em lençol pelo resto de seus dias. 


(*) escrito a partir de uma narração de sonho que ouvi.


sábado, 18 de novembro de 2017

"Amores (se) Vãos!", de Raymundo Netto para O POVO


A primeira garota a me despertar o sentimento de esquecer de mim tinha nome de flor, entretanto, nada de peitos, nem bunda, as pernas eram finas e os cabelos escureciam o rosto alvo, decorado em sardas, de quase não ver os olhos acastanhados. Ora, ela contentava apenas 9 anos! Nem sei como se deu, nem como começou. Lembro apenas de seu sorriso e do inocente desinteresse pela minha figura esquálida, repleta de apelidos, protegida dos colegas moleques pela irmã mais velha.
No ano seguinte, mudando de escola, encantei-me por outra garota, mais madura, com 10 anos, que habituava cobrir as mechas negras em gorro de crochê azul. Eu, nos finais de semana, por não suportar-me em saudades, ia ao mercadinho em frente à sua casa, com a desculpa de comprar biscoitos, mastigados com a lentidão da espera de a qualquer momento vê-la — e apenas isso — passar por trás do muro baixo.
Com o fiar dos anos, a adolescência, percebi: passava à calçada uma, apaixonava-me. Cruzava por ali outra, também. E assim se movia a torcicolos o coração de menino para lá e para cá, enamorando-se intensamente, sempre de súbito, por estranhas das quais nunca foi merecedor sequer de descuidoso olhar.
Aos 13, num esboço de reflexão prematura, pensei: alguma coisa está errada! Desconfiei se não constatava ali a promessa de um tarado, um pervertido. Promessa essa, decerto, não cumprida ao longo de uma vida sempre muito solitária, ensimesmada e pensativa. Na época, ironicamente, o desejo de seguir a carreira sacerdotal, a Bernardo Guimarães — eu gênio e a cidade proibida, Margarida —, nada de envolvimentos que pudessem atrapalhar o destino já escolhido. Ainda assim, entre os intervalos dos serviços de igreja, passava horas infindas da mais pura adolescência ouvindo músicas melosas, gastando-me em sinceras e bizarras quadrinhas apaixonadas. Que sacrilégio, hoje sei, com tanto que já se disse em completude sobre o amor... Talvez, por isso, quando um candidato a poeta mostra-me seus versos, dá-me logo a vontade de dizer-lhe: “Desista enquanto há tempo! A boa poesia é sempre muito difícil. O descuido, assim como ao violino, é imperdoável”.
Não surpreende então que meu primeiro beijo tenha chegado em uma tarda noite aos 20 anos — por iniciativa de uma garota de ideias cacheadas e com nome de pintura —, e durado dois anos de um tempo que no próprio se encerrou, deixando-me largo ensinamento: a melhor coisa do fim de um primeiro amor é descobrir ser possível ter início um segundo, assim como também concluí-lo e partir para um terceiro ou a um quarto. Tudo é questão de decisão. Para os mais românticos, os quase religiosos, isso é demasiadamente herético, cabendo um protesto megatômico de eu não saber de fato o que é amar ou ser amado. Sim, considero a possibilidade de me caber tal maldição do egoísmo, do desamor profundo e da esterilidade de um coração ateu, embora compreenda que grande fosse esse amor não caberia nele a vaidade ou afetação. Sabe-se lá se “l'amour n'est pas pour moi”, como apontava-me uma amiga aos gritos de uma canção. É-se possível o maior amor do mundo ser aquele do momento, sem tempo de mágoa, remorso ou ressentimento, apenas brilho no peito livre de um tudo, mesmo de não caber na memória o rosto da amada, posto que chama viniciana, a levar, como sonho, por poucas horas, um dia ou dois, ou tão contrário a si mesmo, como amor camoniano, por uma vida inteira.
Para mim, o amor anda de mãos dadas e é no beijo perfeito que devora o seu espírito. Agora, sentado à janela a emoldurar um imenso céu estrelado que não existe em minha vida, trago na pele o que vem de Drummond, o mesmo que me matou em desastre: “Este o nosso destino: amor sem conta, distribuído pelas coisas pérfidas ou nulas, doação ilimitada a uma completa ingratidão, e na concha vazia do amor à procura medrosa, paciente, de mais e mais amor. Amar a nossa falta mesma de amor, e na secura nossa, amar a água implícita, e o beijo tácito, e a sede infinita.”


segunda-feira, 13 de novembro de 2017

"Abra as Páginas e Voe...: I Feira do Livro em Sobral" - Relato


Estive em Sobral, a convite da equipe organizadora da sua 1ª Feira do Livro: Mendes Jr (contista, autor de O Engraxate e Outros Suicidas), Margarida Melo e Yves Gurgel.
A primeira reunião com a Margarida e o Yves, momento em que os conheci, deu-se na casa de Socorro Acioli, também convidada da Feira, assim como também o seria a Ana Miranda, entre outros, mais tarde.
A ação, a primeira do gênero e que tomou 3 dias do Centro de Convenções, para minha surpresa, surgiu a partir da Secretaria do Trabalho e Desenvolvimento Econômico, e não da Cultura, ou mesmo da Educação, como usualmente se espera quando se trata de administração pública, embora essas secretarias tenham sido mencionadas e assinassem como parceiras.
A Feira teve início no dia 7 de novembro e trouxe, como “isca”, uma atração midiática, o quadrinista e empresário Maurício de Sousa, cujas revistas servem, serviram e servirão durante muito tempo como porta de entrada para muitos candidatos a leitores não apenas brasileiros (até há pouco, a Turma da Mônica Jovem era a revista em quadrinhos mais vendida na China).
A programação contou com lançamentos, bate-papos, contação de histórias, oficinas, saraus, mesas-redondas, apresentações musicais, mesas de RPG, estandes de vendas de livros e de exposição, que inclusive acolheram o Grupo Literário Pescaria, que tem à frente o poeta, ator e produtor cultural Mailson Furtado, a Associação Cearense de Escritores, contando com a participação de Silas Falcão, Nice Arruda, Lucirene Façanha, Cícero Almeida e outros, como o poeta Lucarocas, o cantador Geraldo Amâncio, o aboiador Chico Neto etc. A Câmara Cearense do Livro (de editoras associadas), a Editora Imeph, as Edições UVA, assim como a Livraria Pensar (me parece ser a única livraria da cidade) e a Wizard (realizou oficina gratuita de línguas estrangeiras) também tinham seus estandes ativos durante os 3 dias.
Indispensável a presença da equipe da Biblioteca Municipal Lustosa da Costa, parceira valorosa de qualquer ação que se refira a livros e à leitura na região. A amiga Aninha Linhares, como sempre, estava entusiasmada com as atividades.
Lá, além de passear pelos estandes e conversar com mais folga com amigos – o que me faz uma falta danada (conheci pessoalmente o poeta Inocêncio Melo e, apresentada pela Marília Lovatel, a professora Kátia Cavalcante)– assisti aos gostosos bate-papos com a Socorro Acioli e Ana Miranda, esta mediada por Mendes Jr (contagiantemente emocionado e apaixonado pelo trabalho desenvolvido), e aos lançamentos de livros de Renato Pessoa (O Homem do Último Dia do Mundo), Célia de Oliveira (Recôndito das Pérolas), Marília Lovatel (Sob o Sol de Sobral), além do enésimo lançamento da coletânea Para Belchior com Amor, organizada por Ricardo Kelmer, que contou com a presença do poeta e contista Joan Edesson e o prof. Vicente Jr.
O audiovisual teve espaço com programação específica, coordenada pela Ryo Produções, que apresentou, entre os convidados, o quadrinista Zé Wellington e a sua oficina de Storytelling. Lá, também apresentado o documentário “A História das HQs no Ceará”, da Fundação Demócrito Rocha. Assim, também nos era possível ver a miniexposição “Afetografia: escrevendo Sobral com luz”.
Cabe-nos mencionar as iniciativas de campanha de esquecimento de livros pelos espaços públicos da cidade e as atividades preparatórias à ação, como oficinas, debates, contação de histórias etc., que aconteceram em espaço reservado no North Shopping Sobral. Uma espécie de “Feira fora da Feira”, em analogia à proposta da “Bienal fora da Bienal”, que acontece em algumas edições em Fortaleza. Aliás, seria muito interessante que essas ações perdurassem, como intervenções em shoppings, praças, escolas e faculdades, independentemente de se ter a promoção de uma ação “macro”.
Entre as minhas lembranças da Feira, participei de um despretensioso e largo bate-papo itinerante Fortaleza-Sobral/Sobral-Fortaleza com a escritora Ana Miranda, cujo única plateia era Pedro Linhares, motorista-leitor, a quem não poderia deixar de ofertar um livro. Assim, como o fiz com a historiadora Vânia e a professora Cássia Sá, jovens leitoras que tive o prazer de conhecer em Sobral.
Espero realmente que cada vez mais os municípios do país, cada um deles, criem seu momento de difusão do livro, enquanto instrumento de desenvolvimento pelo gosto pela leitura, por crer na sua prática como elemento indispensável para a transformação social.
A Feira, a primeira edição, como todo empreendimento, mesmo os já estabelecidos em nosso calendário cultural, carece de atenções e ajustes, de estruturação e planejamento contínuos de estratégias eficientes, além do envolvimento de agentes das cadeias criativas, produtivas do livro e mediadores de leitura, coisa que a própria evolução e essa cultura exigem (quem é realmente do meio sabe o quanto iniciativas como essas têm de ser valorizadas e apoiadas). Nada que envolva o universo cultural sobrevive sem diálogo e sem engajamento desses agentes, pois somos, ao final, um só corpo, mesmo quando alguns optem em tornar-se sequestro, sonharem-se vaga-lumes, ou finjam que não é com eles, quase em autofagia, atrasando o florescente futuro leitor e humano que todos esperamos e ansiamos em nosso país.


sábado, 4 de novembro de 2017

Shpping Benfica 18 anos: Atrevido Benfica, de João Soares Neto


Lutei com as forças que me faltavam do meio ao final da década de 1990. Tudo estava complicado para mim. No particular e no geral. O projeto e a execução do Shopping Benfica não contaram com apoio de ninguém. Só me diziam: aqui não dará certo. Parecia um mantra. Lembrei-me de uma frase do escritor Zuenir Ventura: “inveja não é querer que o outro tenha.” Eu era o outro. Foram anos.
Um dia, cheio de problemas, resolvi marcar a data: 30 de outubro de 1999. Aniversário de d. Margarida, minha mãe. Deu certo. Assim aconteceu. Com foto e nome de todos os que trabalharam para que o Shopping Benfica saísse do papel. Do servente ao engenheiro. Havia um buraco no meio do caminho. O do Metrofor, à nossa frente.
Família, colaboradores, amigos, autoridades e o reitor Martins Filho, refundador do bairro do Benfica, depois esvaziado com a criação dos campi do Pici e do Porangabussu, estavam lá. 
O sol era forte. Ao redor, necas de edifícios. Tudo bem, seria assim mesmo, ao som da Camerata da Universidade Federal do Ceará. Os tapumes das vazias lojas não tinham disfarces, mas dezenas de pinturas grandes de artistas locais, em concurso que marcava a criação da Galeria BenficArte. Ganhadores (Emília Porto e Audifax Rios) com passagens para os Estados Unidos e Europa. Prometido e cumprido.
Manhã seguinte, véspera do Dia de Todos os Santos, bateu a realidade. Convocamos associações e órgãos de classe, e nada. Cada um na sua. Foi aí que o meu espírito de trabalho, da cultura, da irreverência, das artes e, sobretudo, o da responsabilidade social, se juntaram e deram-me força. Desculpem a primeira pessoa, mas não tinha uma segunda.
O Metrofor, de esperança, transformou-se em transtorno. Tive que dar parte do nosso terreno para a abertura da Estação Benfica, só inaugurada nesta segunda década do século 21.
Chega de choro. No dia 30 de outubro de 2017, o Shopping Benfica completou 18 anos. Fosse uma pessoa, teria passado, com folga no Enem, mas escolheria um curso deste Benfica, raiz e fundamento de várias universidades, como a Federal do Ceará, a Uece, a IFCE e de cursos superiores, de vários matizes, particulares.
Os nossos vizinhos tornaram-se amigos, desde a construção. Batiam papo, coçavam a cabeça, perguntavam o meu nome, como seria a obra e a conversa corria solta. Hoje, são clientes, porque já eram amigos. São tratadas como pessoas solidárias que nos deram o azimute para  os nossos sonhos não virassem pesadelo.
Estamos agora a arrumar este jovem Shopping Benfica. Novas roupas, novas luzes, cara limpa, espelho d’água, jardins frondosos dão a animação indispensável ao ethos que o distingue dos demais. 
O Benfica foi o primeiro shopping do Brasil a obter a certificação ISO-2001, de acreditação da Grã-Bretanha. Por diversas vezes fomos homenageados no Fórum de Líderes, em São Paulo. A pergunta que nos vinha à mente, ao subir ao palco: o que faço no meio desses “Tycoons”. Uns, quebraram. Outros…
Na área da cultura ganhamos, anos seguidos, todas as premiações do “Selo Cultural”, em administrações diferentes da Secretaria da Cultura do Ceará (Secult). Ao final, fomos aquinhoados com o selo “Diamante”, o único concedido, entre empresas públicas e privadas. Depois, o selo foi extinto.
Não estamos bazofiando. Externamos apenas para que a história o registre. No Ceará, tem disso. Os bem-vindos e  os aquinhoados são os abençoados pelo BNDES, isenções, refis, incentivos fiscais, renúncias fiscais, fundos de pensões, entre outros. Nós, nunca tivemos nada disso. Pagamos e temos certidões fiscais do Município, do Estado e da União.
Depois de tantos percalços vencidos, estamos aqui ao lado de milhares de clientes, lojistas locais e, imaginem, até multinacionais, já se instalaram no Benfica. Quem diria! Deus sabe como foi duro, mas tudo defendido pela nossa equipe cabeça-chata, pelos lojistas e por nossa clientela, gente de bem, que conversa conosco, do mesmo jeito que o fazia durante a construção.
Vida que segue. Deus nos abençoe. Obrigado a todos.






segunda-feira, 30 de outubro de 2017

Ata do Concurso de Redação Enem: chego junto, chego a 1.000!, da Fundação Demócrito Rocha e Seduc/CE


Ata de Análise e Seleção Etapa Estadual
Concurso Redação Enem: chego Junto; chego a 1.000
- Fundação Demócrito Rocha e
Secretaria da Educação do Estado do Ceará -

Aos 14 dias de outubro de 2017, às 20h, na sede da Fundação Demócrito Rocha, a Comissão de Análise e Seleção do Concurso Redação Enem: chego Junto; chego a 1.000, composta por 3 (três) profissionais especialistas, conforme exigido em 5.5 do Regulamento do Concurso Redação Enem: chego junto, chego a 1.000!, reuniu-se para determinar, após a leitura individual das 23 (vinte e três) redações vencedoras da Etapa Regional, as três vencedoras da Etapa Estadual.

Na Comissão:
·         Francisco Vicente de Paula Júnior – presidente da Comissão –, doutor em Língua Portuguesa pela Universidade Federal da Paraíba, mestre em Literatura Brasileira pela Universidade Federal do Ceará e especialista em Educação pela Universidade Estadual do Ceará. Professor universitário, de cursos preparatórios ao Enem, criador do site Redaself e assessor pedagógico do Centro de Seleção e de Promoção de Eventos da Universidade de Brasília (UnB).
·             Márcio Rogério Carvalho Silva, graduado com licenciatura em Letras pela Universidade Estadual do Ceará e especialidade em Gestão Escolar pela Faculdade da Aldeia de Carapicuíba. Professor de Redação e de Laboratório de Redação e integrante do projeto Academia Enem.
·        Marcos Melo, professor de Redação e Língua Portuguesa há 18 anos. Responsável pelo Laboratório de Redação do Colégio Luciano Feijão, em Sobral, Ceará. Corretor de Redação nos vestibulares realizados na região norte do estado do Ceará, além de elaborador de propostas de Redação e corretor de monografias acadêmicas.

O tema “Ciberativismo: a luta popular na internet” foi o sorteado, como exigido em 3.5, pela equipe da Seduc, entre os 5 (cinco) propostos em 4.1 do Regulamento, publicados em formato de inforreportagem no jornal O POVO e disponibilizados no Portal Aluno OnLine da Seduc.
As redações inseridas no Portal Aluno Online que versavam sobre os demais temas indicados em Regulamento, porém não sorteados, como “Idosos no Brasil”, “Igualdade de Gênero”, “Lixo no Brasil” e “Sistema Penitenciário Brasileiro”, tiveram suas redações corrigidas, por intermédio do sistema, entretanto, não participaram das etapas que culminaram no resultado ora apresentado.
A Comissão recebeu da coordenação do Concurso as 23 (vinte e três) redações indicadas como ganhadoras da Etapa Regional, que, por sua vez, são resultados de seleção anterior da Etapa Escola, na qual foram selecionadas, entre todas as participantes, 336 (trezentos e trinta e seis redações), sendo estas as consideradas vencedoras desta primeira etapa (relação nos enviada pela Seduc).

São os(as) autores(as) vencedores(as) da Etapa Regional:
Crede 1: José William Barros Monteiro Filho (EEEP Professora Alda Façanha)
Crede 2: Mikaele Pereira de Sousa (EEFM Anastácio Alves Braga)
Crede 3: Luiz Rodrigues de Oliveira Neto (EEM Liceu de Itarema Valdo de Vasconcelos Rios)
Crede 4: Wesley da Silva Lima (EEEP Monsenhor Expedito da Silveira de Sousa)
Crede 5: Maria dos Prazeres Gomes Mesquita (EEM Maria Marina Soares)
Crede 6: Francisco Roney Sousa Paiva (EEEP Francisca Maura Martins)
Crede 7: Luiz Jean de Paiva Arcêncio (EEM Júlia Catunda)
Crede 8: Bruno de Melo do Nascimento (EEM Maria Amélia Perdigão Sampaio)
Crede 9: Luana Bernardo Bezerra da Silva (EEEP José Maria Falcão)
Crede 10: Ingrid Barbosa Lima (EEM João Barbosa Lima)
Crede 11: Sara Holanda Bezerra Desidério (EEM Deputado Joaquim de Figueiredo Correia)
Crede 12: Caio Oliveira Cavalcante (EEEP Dr. José Alves da Silveira)
Crede 13: Maria Iane Ferreira Lima (EEEP Maria Altair Américo Saboia)          
Crede 14: Felipe Alencar Barros (EEEP Prof. José Augusto Torres)
Crede 15: Francisco Alex Oliveira Paulo (EEEP Monsenhor Odorico de Andrade)
Crede 16: Eveline Soares de Araújo (EEEP Alfredo Nunes de Melo)
Crede 17: César Augusto Moura de Carvalho (EEEP Deputado José Valfrido Monteiro)
Crede 18: Fhelype Norões de Sousa (EEEP Governador Virgílio Távora)
Crede 19: Maria Luiza França de Souza (EEFM São Pedro)
Crede 20: Meirislany Thalya dos Santos Neves (EEEP Irmã Ana Zélia da Fonseca)
Sefor 1: Débora Soares Pompeu (Colégio da Polícia Militar do Ceará – Gen. Edgard Facó)
Sefor 2: Eduardo Amorim de Moura (EEEP Maria José Medeiros)
Sefor 3: Islânya Souza Gomes (Liceu Estadual Professor Domingos Brasileiro)

Todos os 23 (vinte e três) textos elencados pelas Credes em sua Etapa Regional foram lidos, em separado, pelos 3 (três) integrantes da Comissão, norteados pelos critérios de seleção e avaliação utilizados em todas as etapas, originados nas cinco competências exigidas no julgamento das redações do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), conforme exigido no item 5 do Regulamento, a saber:
  • a) Domínio da norma padrão da língua portuguesa (0 – 200 pontos);
  • b) Compreensão da proposta de redação (0 – 200 pontos);
  • c) Seleção e organização das informações (0 – 200 pontos);
  • d) Demonstração de conhecimento da língua necessária para argumentação do texto (0 – 200 pontos);
  • e) Elaboração de uma proposta de solução para os problemas abordados, respeitando os valores e considerando as diversidades socioculturais. (0 – 200 pontos).
Em sua leitura individual, cada um dos integrantes da Comissão as analisou e as pontuou, selecionando os seus 3 (três) primeiros classificados.
Juntamente com essa seleção, expuseram comentários de sua análise individual, conforme podemos constatar, a seguir:

Prof. Márcio Rogério (Fortaleza)
1º. Luiz Rodrigues de Oliveira Neto (Crede 3): Nota 1.000;
2º. Meirislany Thalya dos Santos Nevez (Crede 20): Nota 960;
3º. Eduardo Amorim de Moura (Sefor 2): Nota 960.

Prof. Marcos Melo (Sobral)
1º. Sara Holanda Bezerra Desidério (Crede 11): Nota 1.000;
2º. Ingrid Barbosa Lima (Crede 10): Nota 960; 
3º. Francisco Roney Sousa Paiva (Crede 6): Nota 960;

Prof. Vicente Jr. (Presidente da Comissão)
1º. Luiz Rodrigues de Oliveira Neto (Crede 3): Nota 1.000;
2º. Sara Holanda Bezerra Desidério (Crede 11): Nota 960;
3º. Ingrid Barbosa Lima (Crede 10): Nota 960; 

Ao final, a partir da reunião das 3 (três) seleções de cada um dos integrantes, a Comissão teve que decidir entre sete alunos, pois, como percebemos, três deles figuram na seleção de mais de um integrante da Comissão por mais de uma vez, o que assegura a qualidade das redações produzidas e do consenso em relação a ela.
No encontro presencial de fechamento, levando em consideração a pontuação mais alta, a do Luiz (em duas seleções) e a média da Sara (entre as duas classificações), e pelo fato de, na pontuação de 960, a Ingrid ter sido igualmente apontada em duas classificações, a Comissão decidiu e selecionou as, então apontadas, 3 (três) melhores redações, as vencedoras da Etapa Estadual do Concurso de Redação Enem: chego junto, chego a 1.000!, da Fundação Demócrito Rocha e Secretaria da Educação do Estado do Ceará. São elas:

·                Luiz Rodrigues de Oliveira Neto
EEM Liceu de Itarema Valdo de Vasconcelos Rios (CREDE 3) – 
Nota 1.000
·                Sara Holanda Bezerra Desidério
EEM Deputado Joaquim de Figueiredo Correia (CREDE 11) –
Nota 1.000
·                Ingrid Barbosa Lima
Escola de Ensino Médio João Barbosa Lima (CREDE 10) –
Nota 960   

Nada mais tendo a declarar, a Comissão finalizou os trabalhos, colocando-se à disposição para dirimir qualquer dúvida a respeito da referida seleção.

Fortaleza, 14 de outubro de 2017


Prof. Dr. Francisco Vicente de Paula Júnior(UVA/UFPB)
Presidente da Comissão de Análise e Seleção