quarta-feira, 30 de abril de 2014

"Nilto Maciel: quando se tornou Imortal!", homenagem ao grande escritor (30.04)


"Ora, deixemos esses passados mortos e vivamos o presente. Uliyana chegaria dentro de alguns minutos e eu a pensar em escritores medíocres. Entreguei-me, de olhos fechados, a fantasiar suas feições. Por que teria me procurado? Informou-me, por telefone, ter percorrido quase toda Fortaleza: da estátua de Iracema à feirinha de artesanato da Beira-mar, do centro cultural Dragão do Mar aos caranguejos da praia do Futuro. E por quais vias você me descobriu, ó czarina de meus delírios pós-soviéticos? Ofereceu-se para vir ao Monte Castelo, onde moro. Pode ser agora? Pode ser a qualquer hora. Passadas cinco páginas de Tchekhov, um táxi branco e reluzente deixou diante de minha mansão a mais estonteante das raparigas russas de todas as eras. Joguei o contista sobre o diário e corri a abraçá-la. Trazia livrinho dentro da bolsa vermelha: O senhor pode me dar autógrafo? Percebi logo tratar-se de exemplar da edição russa de Carnavalha."(...)
Era assim a vida animada e fantástica de Nilto Maciel, na sua casa no Monte Castelo, onde residia sozinho, balançando na cadeira em frente à TV, lendo as centenas de livros que lhe chegavam pelo correio, ou debruçado num computador a alimentar famintos blogs e a escrever todotempo o tempotodo.
Por vezes, já pela noitinha, após a sua sopa e remédios éramos vizinhos , ligava apenas para saber se podia desligar seu computador moderno, cheio de mensagens alienígenas, ou se eu achava que daria tempo de retirar dele um valioso pendrive sem o risco de perder a sua irreparável "obra completa".
Deitado num travesseiros de sonhos, ou de ficções, acordava com a cabeça pintada de contos, crônicas, romances, ou mesmo daquelas piadinhas infames ou irônicas que os amigos se acostumaram a ouvir em suas ligações, nas quais com a voz disfarçada, meio gutural, dizia:
Meu amigo... estavam agora mesmo falando mal de você... Sabe quem foi?
Não, Nilto... (Sempre) Não, Nilto... Fala logo... O que foi?
E ele ria uma gargalhada quase que dramática, divertindo-se, e comentava causos que nunca sabíamos se eram verdades ou mentiras. Com ele, sempre era assim, nunca se podia ter a completa certeza. Hoje, durante a triste nova da tarde, tive essa mesma impressão: Será essa apenas mais uma marmota do Nilto Maciel? Verdade ou mentira?
Havia lá suas coisas, seus livros cuidadosamente separados nas prateleiras, sua cadeira de balanço, seus óculos, o fone e os controles da TV ao lado dela. O computador ligado, assim como a luz da sala, provavelmente ele ainda trabalhava, notívago que era. No sofá, a toalha com o brasão do Fortaleza e uma calça, deixada sempre a postos, para o caso de aparecer visita. No quarto, uma coleção de dvds, uma surpresa para as filhas, num deles um adesivo remetia à sua querida "Tusa". Desabei com isso.
Na cozinha, ao trancar a janela, pude ouvir o eco ainda fresco de sua voz: "Netto, quer uma coca-cola, quer? Eu pego a sua coca-cola... Ou quer alguma coisa mais forte?"
Ao lado, na poltrona, a mala feita, separada com antecedência para ir ao Encontro de Literatura Fantástica, em Sobral, onde abriria o evento. No jardim, livros envelopados que ele nunca lerá, de amigos que ele sempre divulgou em seu blog, dentre eles Enéas Athanázio, Geraldo Jesuíno e Francisco Miguel Moura.
Pensei muito num fantasma que me atormenta. Lembrei das vezes que conversamos sobre isso. Como ele nunca reconheceu esse fantasma, nunca me levou a sério. "Era a vida, Nettó."
Hoje, assisti à saída silenciosa de Nilto de sua casa, deixando para sempre os seus livros colecionados durante a vida de literatura e os seus arquivos de uma obra completa que nós também não conheceremos. O vi carregado e imaginei que, ao invés de homens simples do IML, eram aqueles seus admiradores leais, carregando-o nos braços para um pomposo carro à espera da glória da imortalidade (leia-se não esquecimento) almejada por todo persistente escritor. Acenei timidamente, da sala de visitas, entendendo ser aquela a última vez que nos encontraríamos ali. Lamentei, claro, todos os momentos perdidos, mas prefiro agora pensar no que fizemos e rimos juntos.
Vai-se Nilto Maciel, que nos últimos anos de sua vida esforçou-se para não ser esquecido, publicando um livro atrás do outro, inclusive fortuna crítica e memórias. Vai, mas não vai de todo, deixa aqui a sua voz, os seus pensamentos mais ousados, as fantasias, a sua arte, a transgressão e a loucura de viver "sem fronteiras" a sua paixão literária.
Nilto, vai com Deus, irmãozinho. Fica a sua falta, mas a lembrança nos brilha mais.

18 comentários:

  1. Ray, soube pelo e-mail do Sal.
    Lamento estar longe, impossibilitada de me despedir dele, de abraçar vocês. Ainda em choque com tudo isso - hoje dois meses que meu pai também se foi.
    Estou querendo escrever para Nilto, pela cordialidade e doçura que sempre me dedicou - que segundo alguns, era coisa rara em seu humor provocativo. Engasgada ainda com as palavras. Talvez depois.
    Estou longe, Ray. Mas estou aqui... é só "gritar pra fora" q ouvirei!
    Beijos meus!

    ResponderExcluir
  2. Obrigada por sua linda homenagem, Raymundo Netto.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  3. RECOLHIMENTOS
    Belvedere Bruno

    por tempo
    indeterminado
    recolho
    as alegrias
    dou férias
    aos meus sorrisos
    e me entrego
    aberta
    às tristezas
    de minhas perdas
    sangria inútil

    ResponderExcluir
  4. Tão triste está Fortaleza
    Triste está a literatura
    As folhas, as letras, as pessoas estarão a chorar
    o coração se aperta...

    Abrem as portas da imortalidade para Nilto, em vão,
    Pois é a infinitude da eternidade que o guarda...

    Adeus Nilto Maciel
    Que nos fez perseguir a fantasia, a arte, os livros a vida e os sonhos,
    A humanidade hoje está muito triste
    Seus fãs e admiradores estão muito mais.

    Saudades, e que teu novo caminho seja pleno
    E que os anjos te facilitem a passagem.
    30.04.014 – VILEMAR F. COSTA

    ResponderExcluir
  5. Lamento muito a morte do Nilto. Ainda tô chocado, uma sensação de vaziez.

    ResponderExcluir
  6. Nilto Maciel, encantou-se, encontrou-se com sua imortalidade, adquirida durante a vida, onde menos viveu, pois com luz maior dedicou-se a arte de fiar palavras. Desde de quando entrei na faculdade que eu era seu leitor. Nilto é nome fundamental da literatura cearense contemporânea e também referencia indispensável para os estudos de literatura fantástica. Enviei meu primeiro livro para ele, muito atencioso ele escreveu um comentário sobre o "Lá nas Marinheiras e outras crônicas'' que publiquei na capa traseira do meu segundo livro "A menina da chuva" . Nisso fixamos o contanto via e-mail e correio. Cerca de 15 dias atrás ele escreveu uma crônica sobre ''A menina da chuva'', e, publicou no seu blog, na ocasião também me mandou um e-mail bem bacana com outras observações. Tenho quase toda sua obra, que ele me presenteou. Não o conhecia pessoalmente, mas o tinha como um professor, agora, eterno.

    Bruno Paulino.

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Netto,
    o livro que ele me enviou chegou ontem, com um bilhete, quando ele já havia partido e eu não sabia. Deixei para lhe telefonar hoje pela manhã; mas, ao invés disso, recebo a triste notícia de seu falecimento. O texto que você escreveu o trouxe de volta, parecia que ele estava realmente conversando com você.
    Em breve escreverei uma carta para ele (coisa que não se usa mais), já que não posso fazê-lo por telefone, contando-lhe o que aconteceu ontem, ao receber seu livro Sôbolas Manhãs.
    Que manhã triste, a de hoje!

    ResponderExcluir
  9. Raymundo Netto, assim é que se ama um amigo. Amar é não deixar morrer. Você está certo, Nilto Maciel se tornou imortal.

    ResponderExcluir
  10. "Acenei timidamente, da sala de visitas, entendendo ser aquela a última vez que nos encontraríamos ali."

    Raymundo Netto, meu coração está contigo.

    ResponderExcluir
  11. Caro Raymundo,
    Uma notícia chocante... Uma perda sem tamanho...
    Que mais dizer?

    Dercio Brauna

    ResponderExcluir
  12. Amigo Raymundo Netto, parabéns, belíssima homenagem em prosa e verso, como NILTO gostaria! Assim é que se ama um amigo.

    ResponderExcluir
  13. Nossa Raymundo, ainda ontem, recebi pelos Correios o último livro dele. Há uns vinte dias enviei dois livros para ele em agradecimento pelos últimos presentes que enviara a Natal, para mim. Estava achando estranha o silêncio dele, mas sabia que vinha trabalhando muito, com muita obra para resenhar, fora tudo mais que escrevia. Havíamos combinado a apresentação de um livro meu de contos, que deixei com uma editora...vínhamos sempre nos falando, principalmente porque eu estava dando notícias de nosso amigo Túlio. Agora, será assim: um buraco, uma saudade, sem as palavras de incentivo que sempre recebi dele, por e-mail e em meu blog! Agora, "encantou-se", para sempre....

    ResponderExcluir
  14. Raymundo Netto,
    publiquei artigo seu sobre a partida do amigo Nilto Maciel para a Imortalidade. Lembro dele em pessoa numa viagem que fizemos juntos a Cuba de Fidel.Lá não falamos em política, aqui também não.Nosso caso era (e é) a Literatura. Que triste que ficou Fortaleza, os Estados Vizinhos (escrevo de Teresina - PI) e o Brasil inteiro.Lembrança,memória, vou escrever um artigo na próxima semana (internete e jornal de papel), ainda estou olhando o último livro que me mandou "Sôbolas Manhãs", rico em literatura,falando de nós mesmos e de nossas idéias e palavras: seu humor às vezes corrosivo, outras não, mas sempre humor. Não levava a vida a sério, da vida só a literatura, os amigos e os livros e nada mais valia nada. Assim me lembro, e se me lembro! E dos seus belos e inventivos contos! Do seu real realismo fantástico e maravilhoso.
    É isto que temo que fazer,ler, escrever, lembrar os amigos, Nilto e outros até que chegue a nossa vez.
    Até mais....
    Chico Miguel de Moura

    ResponderExcluir
  15. Raymundo Netto, belo e comovente seu texto, despedindo-se do amigo Nilto Maciel. Fui tomada pela emoção e pela lembrança da presença dele: sempre circunspecto, procurando como que ler a alma das pessoas. Talvez para transformá-las em personagens de seus livros tão apreciados. Encantou-se o nosso Nilto, mas de lá, dessa galáxia, ele nos vê, embora custe-nos acostumar com a ausência dele.

    ResponderExcluir
  16. Um texto lindo, bem à altura do que representava Nilto. O impacto que recebi quando da notícia da morte foi tamanho porque no mesmo dia o mais novo livro dele chegou na minha casa, com a carinhosa e habitual dedicatória. Sem palavras. Evoé, Nilto! Abraços, Raymundo!

    ResponderExcluir